sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Courrier Internacional n.º 163



Kiri te Kanawa, Je ris de me voir si belle en ce miroir
(do Fausto de Charles Gounod)


Espelho mágico, espelho meu... Saiu hoje a edição de Setembro do Courrier Internacional. O culto da imagem tem honras de tema de capa, com textos dos melhores jornais e revistas de todo o mundo a explicar as várias facetas do narcisismo e as perversões a que pode conduzir. Berlusconi, Paris Hilton ou a imperatriz Sissi são protagonistas deste dossiê, onde damos a conhecer um médico brasileiro que propõe mudar a cor dos olhos de forma definitiva - e perigosa.

A secção dedicada a Portugal é preenchida por um relato sobre os peregrinos de Fátima, feito por uma filipina, e pelo elogio do britânico "The Guardian" às oportunidades imobiliárias que o país oferece. Durão Barroso também volta a surgir, não necessariamente pelos melhores motivos.
As obras do Palácio de Fontainebleau, a galhardia do ministro da cultura francês (Frédéric Mitterrand, sobrinho do ex-Presidente e homossexual assumido), a penúria do Zimbabué, o investimento externo no Iraque, as deambulações de uma governante alemã com um Mercedes blindado e o pedido de desculpas de uma antiga guerrilheira das FARC às aldeias que dizimara enquanto terrorista são outros assuntos em foco nesta revista, na qual pode ficar a saber que o ditador Francisco Franco foi exonerado das funções honorárias de alcaide de Madrid... 34 anos após a sua morte.
De paragens mais orientais vêm as imagens do portefólio deste mês, consagrado ao Tibete, 50 anos depois do exílio do Dalai Lama. Em Timor-Leste, um filme recupera a história de cinco jornalistas australianos assassinados pouco antes da invasão indonésia de 1975.
Cortar custos sem despedir e contratar exclusivamente Testemunhas de Jeová são as histórias da secção de economia. Na ciência, lentes de contacto impregnadas de medicamentos e o combate à diabetes através do bom humor. Na ecologia, o crime ecológico que constituiu a drenagem dos pântanos iraquianos nos tempos de Saddam Hussein. E, no multimédia, o poder do Twitter, que já mete medo a alguns déspotas, e o talento de Sacha Baron Cohen, mais conhecido (este ano...), por Brüno.

Há também leituras de fundo sobre o fim do sonho económico irlandês, a sucessão no trono estalinista da Coreia do Norte e a promessa contida na quinoa, um cereal cultivado na Bolívia. Cocktails salvadorenhos, insólitos em barda e uma viageme à Nova Caledónia completam o leque de ofertas cujo esboço aqui vos deixo. Agora, comprem a revista, que mesmo em férias um tipo tem de fazer pela vida...

2 comentários:

Filipe Snr disse...

Já sabes que gosto e, por isso, sou assinate desde o nº 1.
Continuem!

Virginia disse...

Sound perfect. Must buy it!


Thanks for everything.

Beijão da tia