terça-feira, 23 de setembro de 2008

Esse negócio de equinócio

Virgínia Cordeiro Barros, Outono (pastel)

Chamam a este tempo singular "queda da folha". É o fall dos americanos, estação de neuras que alguém fará o favor de dizer se são pós-estivais ou pré-invernais. Diz que é por agora que mais cabelo cai e mais gente se mata... mas chamam-lhe também Outono, que vem de autumnus, palavra latina cujo radical aut- se associa ao gótico aud-, ao saxão ōt-, ao inglês arcaico ēat-. Todos eles significam "próspero, rico e feliz".

Escolher o quê? A explosão de ocres que já aí anda e que um dia gostava de ver na Nova Inglaterra - tão do agrado da autora desta pintura e minha querida Tia - ou a vasta gama de cinzentos que vai anexando o céu? A primeira chuva é bálsamo purificador ou balde de água fria num corpo ainda rescendendo a sol de Verão? Será o maior recolhimento triste sintoma de menos luz ou ocasião para gozar compotas, cereais e vinho?

Dois consolos: a dialéctica não é estrita e nem sempre o ónus da escolha recai sobre nós. Se houve anos em que só a contragosto troquei o gelado de pau pela pêra-rocha e em que o abraço amigo de uma camisola me soube a asfixia, outros vivi - como o corrente - em que nem toda a força de vontade do mundo posta ao serviço de um absurdo desejo de estar triste o lograria.



Les cowboys fringants, Toune d'Automne


Anyway chu content que tu r'viennes
T'arrives en même temps qu'l'automne

11 comentários:

Anónimo disse...

Querido Huckie,

Mais do que a lembrança de pôr o quadro a pastel da "ol'auntie", gostei do texto que é um verdadeiro hino ao Outono. As imagens são perfeitas e o final uma beleza.

Os meus dois netos nasceram no outono...que mais posso dizer?

Bjo grande

bicas

Mário disse...

Huck
Lindo texto, sóbrio mas pleno, excelente pintura (e acho que partilhas alguns genes com a Tia, vide o quadro da Praia da Luz que tenho em casa...), e esta réstia de esperança e de optimismo.
É preciso mais. Ainda há dias comentava que uma revista tinha cascado no Ministro da Educação por "só agora" ter feito alguma coisa sobre as praxes violentas. Nada sobre todos os anteriores. Mas quando este faz, leva. Da mesma forma, ouvi hoje comentários de que enquanto houver escolas com goteiras e sem condições, não deve haver computadores para ninguém (ainda por cima, esquecendo-se que as escolas são da responsabilidade das autarquias, e os computadores do Governo...).
Por isso, talvez, achei interessante o documento do Rui Marques sobre "o que está a correr bem" - conheço-o há muitos anos, é um homem de causas, e um optimista sem ser eufórico.
Mas desviei-me do tema: o teu excelente texto, e a excelente pintura da tua, também excelente, Tia.

ana v. disse...

Uma rentrée em plena forma, querido Huck: um belíssimo texto e a certeza de que este Outono te irá trazer uma das maiores alegrias da tua vida. Não há neura nem problemas que possam bater-se com esse prodígio que aí vem... e já está quase!

Um beijo

João Paulo Cardoso disse...

Desta vez acho que os comentadores que por aqui passaram já disseram tudo.

Estou como a Bicas: Este texto é um hino ao Outono, a estação do ano em que desejamos sem querer e não queremos desejando.

Meio a sério, meio a brincar, hoje n'"O Eldorado":

"Magalhães, portátil e o punível"

http://oledorado.blogspot.com

Um abraço.

João Paulo Cardoso disse...

Endereço errado, porque não tenho um Magalhães para me ajudar nestas alturas!

http://oeldorado.blogspot.com

Agora sim.
Peço desculpa.

miguel disse...

Um dos primeiros dos belíssimos textos sobre o Outono de que a blogosfera é - felizmente -useira.Como a estação de cores ocres e luz pálida ainda está por aí, escondida, antecipemo-la, sem neuras ,a ela e ao dia em que possamos sentir o " abraço amigo de uma camisola". Serão esses, então sim, tempos do Outono que ora tarda.

Huckleberry Friend disse...

Obrigado, Titia! Dois netos são seguramente duas excelentes razões para gostar do Outono. Prometo, em breve, dar-lhe mais uma ;) Beijos.

Pai, vou ler esse documento. Frisar o que corre bem é pelo menos tão importante como criticar o que está mal.

Ana, nem mais! Bjs

JP, que o teu Eldorado continue a arrancar-me gargalhadas neste inevitável Outono. No adivinhável Inverno. Na Primavera que já se pressente. E no mais do que provável Verão. Abraços.

Miguel, é sempre bom ver-te por cá! Cheira-me que o Outono deste ano se vai instalar com maior firmeza do que o seu antecessor de 2007 (e porque não recordá-lo?) Até lá, valham-nos as praias intemporais e este sol tão português! Um abraço.

Anónimo disse...

Não sabia que era uma menina...aliás também aguardo o nascimento de outro(a) para Março. A família não conhece outonos, só primaveras!!!:))
Bicas

Pedro disse...

Tia, eu também não sei se é uma menina!... o que prometi foi dar-lhe mais uma razão para gostar do Outono ;) já agora, muitos parabéns pela notícia primaveril! Beijos.

Sofia K. disse...

Gostei!Este ano o Outono será diferente... entre outros casacos de malha e músicas de embalar. Voltaremos ao fogão para os doces e as compotas, voltaremos ao campo para os passeios, ao mundo para o respirar com novos olhos...

beijinhos

Huckleberry Friend disse...

Voltaremos a gozar tudo o que no Outono nos encanta. E inventaremos algo mais ;) beijos