sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Vou p'rá terra...

Toxofal de Baixo (PC, 29 Março 2008)



E antevejo-o nesta canção, de que vos deixo três belas versões, para que digam de qual gostam mais... ai, a falta que me faz o blogue da cara-metade, para estas brincadeiras musicais!







Michael Stipe e Fautline, Greenfields


You can't be happy, while your heart's on the roam
You can't be happy until you bring it home
Home to the green fields, and me once again

11 comentários:

RAA disse...

Bom fim-de-semana!
Vou começar agora a leitura...

Anónimo disse...

Adorei
gostava que fosse a
arte-e-ponto.blogspot.com

Mário disse...

Ai que vou ter um neto nascido no Centro de Saúde da Lourinhã!!!

João Paulo Cardoso disse...

Nada como a versão original.
Mas também gostei da última, ou não tivesse a voz do Michael Stipe.

Bom fim de semana e... boa sorte.

Um abraço.

Janaina Amado disse...

Huck (brasileiro é assim mesmo, fica logo íntimo),
Vim da Adelaide Amorim conhecer suas codornizes. Gostei! Posso voltar?
Parabéns pelo aniversário!

addiragram disse...

Como gosto de cheirar a camomila!

Anónimo disse...

Este rapaz - Huckie de seu nome - deveria ter nascido décadas antes, tal o seu gosto por músicas da minha geração!!
Imagina o coro das tias Cordeiro a cantarem ( qual delas mais desafinadas) o Greenfields a várias vozes ao som da guitarra do Tio Filipe.....era um show. A canção é bonita, mas velhinha, velhinha como a Sé de Braga :)))

Bom fim de semana

Bicas

legivel disse...

... parabéns pelo aniversário e pelo bom gosto musical.

Huckleberry Friend disse...

RAA, espero que te tenha agradado... abraço.

Pai, descanse que já estou a trabalhar e o neto ainda está en su sitio. Beijinhos.

JP, obrigado e um abraço. Também gosto de ouvir várias versões das músicas, das histórias, acho que até das pessoas...

Janaina, também gosto da familiaridade. Ainda bem que cá vieste e gostaste. Volta sempre! Um beijo.

Addiragram, a minha mãe punha-ma na cabeça, em miúdo, para me conservar tão loirinho como nasci. Não surtiu qualquer efeito, mas ainda hoje gosto daquele perfume! Beijos.

Tia Bicas, mesmo que quisesse, não conseguia esconder o meu gosto pelas velharias musicais... mas, se são boas, porque haveríamos de esquecê-las? É como esse coro de manas, que já não ouvi na versão original guitarrada, mas sim nas infindáveis (and gladly so) sessões de variedades natalícias. Já então com muita primalhada a associar-se à cantoria. Beijos!

Legivel, obrigado! Um abraço.

MariaV disse...

Olá!
Pois eu gostei mais da última versão! E para rimar... Então e o meu sobrinho Limão? Não nasceu "Lourinhão", pois não?
Desculpa, eu sou mesmo assim: hoje deu-me para a parvoíce!
Beijinhos grandes para ti e para a minha Grande "sobrinha" Sofia. Tenho saudades vossas

Huckleberry Friend disse...

Agora já sabes que não nasceu lourinhão, mas está ansiosa por ir visitar as paragens do Oeste, onde os pais têm raízes... o Toxofal, a Atouguia da Baleia e, claro, o Baleal! E já me disse ao ouvido que quer conhecer uma tal Rosemarie de quem ouviu o pai falar. Beijinhos grandes!!!