quarta-feira, 11 de junho de 2008

Não vos pedimos mais do que já fizeram!


E isto nada tem que ver com raças, senhor Presidente!!!

6 comentários:

Sophiamar disse...

A ra�a humana a manifestar o seu contentamento. Arrepiante!
Participo, a partir de ontem, num blog colectivo.Passa por l�. Deixo-te o link mas encontras o selo no template do meu blog.
http://adlibitum2008.blogspot.com

Beijinhos

isabel mendes ferreira disse...

a raça de quem sabe. Aqui.


.

o meu abraço.

(ainda frágil...mas sincero)

Pedro disse...

Sophiamar, tens razão... que irracional a alegria que tudo isto nos causa. Mas, ainda assim, é alegria genuína e acho que devemos aproveitá-la... prometo espreitar o novo blogue em que participas assim que fechar a edição deste mês do Courrier. Beijinhos!

Isabel, a sinceridade torna qualquer abraço intenso, tenha ele a força que tiver. Retribuo com um beijo.

Huckleberry Friend

Espectadores disse...

Qual é o mal da palavra "raça"? É mesmo só para implicar com o pobre do homem...

Achas que em Boliqueime havia juventude hitleriana? Que ele e a Maria liam o "Mein Kampf" deitados nas searas de trigo?

Um abraço,

Bernardo

Espectadores disse...

Tenho quase a certeza de que, se procurarmos bem, encontramos a palavra "raça" nos Lusíadas...

Huckleberry Friend disse...

Eu conseguia lá embirrar com o pobre do homem depois do que ri a imaginá-lo nas searas a ler o Mein Kampf... e quanto a Os Lusíadas - de que o pobre do homem leu seis ou sete cantos -, é uma obra anterior (et pour cause) ao Dia da Raça, que por sua vez é anterior ao de Portugal, Camões e as Comunidades Portuguesas, whateveristo tudo queira dizer... abraços, pá!