segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Gramy Winehouse

Pouco tinha ouvido dela até esta madrugada. Vi pela primeira vez a entrega dos Grammies em directo e foi uma noite bem passada. Acho que gosto mais da voz de Amy Winehouse ao vivo do que em estúdio. Recém-chegada da rehab - e ainda bem, porque é tem talento de mais para morrer tão nova -, foi com a canção com esse título (e cuja letra rejeita a dita) que triunfou. Mesmo com um oceano pelo meio. Parabéns pelos prémios e por ambas rehabs.
Amy Winehouse na noite dos Grammies, Rehab

16 comentários:

Maria del Sol disse...

Aprendi a gostar desta "enfant terrible" nos últimos meses do ano passado. Confesso que no início embirrava oom o visual "trashy" que encarna, mas a voz portentosa e as letras cruas que dissecam o lado mais destrutivo das relações convenceram-me. É preciso ter coragem. E é bom vê-la de novo em forma :)

Besos!

Pat disse...

Há um certo tipo de irreverência que me atrai, que me cativa, que me faz "mexer"... hummm... há um je ne sais quois que vem da minha costela asiática... spicy... juicy... very appealing... oh dear!

Decana mas muito viva!

Beijos :)

JP disse...

Pequeno carácter, grande voz.
Excelente para ouvir e aplaudir, péssima para um cafezinho na esplanada.

Siga a música, esqueça-se o resto.

Um abraço.

cris disse...

Diz lá se essa miúda não tem um vozeirão daqueles? É um misto de jazz, de soul. Pena que esteja tão enfronhada em drogas pesadas! Assisti a um concerto dela que me emocionou. Ela estava a cantar divinamente, e, de repente, esqueceu-se da letra, acho mesmo que perdeu completamente a noção do sitio onde estava.
Mas que é uma voz negríssima, é, das coisas boas que apareceram recentemente!

Agradeço-te a visita.
Hoje quem está de parabéns é a filhota, que, devo dizer-te, também é fã da Amy :-)
Mas, em Março, já tá de lugar marcado para os The Cure.
Já me viste?
Eu, com 14 anos, ainda andava de bicicleta, a "assapar" feita louca.
Ela só curte boa música.
Lá vai a irmã comprar-lhe o livro do Eddie Vedder (já que o filme não deve sair tão cedo em dvd)

Beijo e boa música, an?
Sempre!

Huckleberry Friend disse...

María, concordo com tudo. A miúda não é bonita e o visual está mais do que visto, mas tem mostrado uma força admirável. Reconhecer que se precisa de ajuda exige muito mais coragem do que achar que se tem sempre tudo na mão. Besos para tí!

Prima Pat, a tua vitalidade de múltiplas origens é um exemplo que muitos deviam seguir. Beijinho grande e com saudades de estar contigo ao vivo e em directo.

JP, não sei se o carácter é assim tão pequeno. A voz sim, é enorme. Mas ok, tão-pouco era a minha escolha para tomar café! Preferia-a como banda sonora, e tomar café com alguém mais... my cup of tea! Abraço.

Cris, é pena a Amy estar tão agarrada, sim senhor. E assistir a isso ao vivo deve ser triste... mas talvez se safe! Era bom, porque promete, é daquelas cantoras que nos faz sentir que há algo de novo.

E olha, se a tua filha sabe mais de música do que tu quando tinhas a idade dela, é porque a mãe deve andar a fazer um bom trabalho nesse campo. Beijinhos, e que os nossos ouvidos continuem atentos aos sons que o mundo oferece!

© Piedade Araújo Sol disse...

venho deixar-te os votos de uma bela semana...

Ludgi disse...

Se visse esta "miúda" na rua, sem saber quem é, não seria atraído mesmo por nada. Mas a sua música atrai-me e por acaso, hoje durante a tarde acabei por garantir algumas delas para as juntar à minha lista no mp3.

purita disse...

tens que ouvir o primeiro album dela chamado 'frank' � melhor e ela ainda n�o era t�o desgra�ada.
nas listas havia gente com mais qualidade musical que ela, mas tb n�o fiquei chocada. j� nos habituamos aos pr�mios � l� americaine!:)

[que coment�rio t�o simp�tico o teu!!]

Huckleberry Friend disse...

Piedade, obrigado e uma óptima semana para ti. Beijos.

Ludgi, na rua até era capaz de meter medo, consoante o estado de drunfagem. É melhor no mp3 e até tem umas coisas a ensinar, se tivermos atenção às letras... além de que há sempre o botão para mudar de faixa... abraços!

Purita, não conheço o Frank, mas vou ouvir. E os prémios valem o que valem, não é? Beijinhos ;) e o prazer foi meu.

Sofia disse...

Desculpa mas eu 'viciei-me' em ouvir a miúda e em fazer uns duetos com ela... A voz dela é original... adoro...

beijos

Pedro disse...

Já tenho ouvido alguns desses duetos... e nunca me apeteceu mudar de faixa! beijinho

vsuzano disse...

nem sei como vim parar aqui, mas vou daqui com uma sugestão para o almoço.... codornizes....

rsrsrsrs

beijo

Andreia Ferreira disse...

Esta mulher transpira subversão, irreverência e sensualidade por todos os poros! É mesmo uma "enfant terrible", como diz a Maria!
Bisou

Huckleberry Friend disse...

Vsuzano, mais importante do que saber o que aqui te trouxe é esperar que encontres motivos para voltar... bom almoço e um abraço!

Andreia Ferreira, discordo na sensualidade, mas tens razão no resto. Beijinhos.

Martini disse...

Hey, já venho atrasada!
Como ando sempre à procura de "tesouros" conheço esta VOZ há mais de um ano! Que poder!
Acho que perde tudo ao vivo, ela subverte a propria musica, e brinca com a voz.
O álbum frank (o primeiro) é fabuloso, puro! O Back to black tem uma produção exemplar de um senhor chamado mark ronson que é o guru das estrelas! Está cheias de melodias de encher o ouvido que não perdem a qualidade por serem mais "pop".
Em Maio de 2007, vozes havia que diziam que Amy Winehouse ainda havia de ter sucesso por estes lados, é o que está a acontecer agora!

Huckleberry Friend disse...

Ora, Martini, com esse nome vens sempre a tempo (on the rocks e com uma raspa de limão, por favor). E os amigos como eu sabem esperar pelos amigos como tu - não é o que temos feito a vida toda?
Pelos vistos tenho MESMO de ouvir o primeiro álbum da Winehouse, vou ver se o saco. Beijinho grande para ti.