terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Tal como prometi...

...comprei o disco sem ter ouvido nenhuma faixa. E não me arrependi.


Sérgio Godinho, Às vezes o amor

Vou-te dizer
A luz começou em frestas
Se fores a ver
Enquanto assim durares
Se fores amada e amares
Dirás sempre palavras destas
(...)
Às vezes o amor
No calendário
Noutro mês é dor
É cego e surdo e mudo
(...)
E o dia tão diário disso tudo
Da morte volta sempre em vida

NOTA: O disco é Nove e meia no Maria Matos, de Sérgio Godinho & Os Assessores

8 comentários:

purita disse...

hoje vi na televisão a apresentação deste disco e até me emocionei a ouvir o 'é tão bom uma amizade assim...'!

Mateso disse...

É qauase uma batota.Logo Sérgio Godinho, pois, lá,lá já se adivinhava, não?
Boa escolha.
Bj.

Sofia disse...

fabulosa banda sonora antes de deitar, depois de ser embalada pela chuva pasmada... e nós cantamos no disco, não é verdade? Grande concerto, boas memórias de amizades assim, de danças no mundo, de marchas, de brilhozinho nos olhos e até do gomo da tangerina ;)

beijinhos

Huckleberry Friend disse...

Purita, bem-vinda ao meu ninho e obrigado pela visita - para repetir, espero! Beijos para ti e parabéns pelo blogue.

O disco é bom e o concerto ainda foi melhor. Não só pela emoção de lá estar, de cantar, de dançar, de bater palmas, como pelo grupo com que fui e a circunstância que o gerou. Ofereci um bilhete a um primo como presente de anos e ao aniversariante juntaram-se mais alguns. Tinha ao lado a pessoa com quem mais gosto de ouvir Sérgio Godinho e, além disso, houve adesões de última hora. E depois, é extraordinário o que o homem faz com canções de há séculos, quase esquecidas, rearranjadas, ressuscitadas, redesenhadas. E é fantástico que as novas continuem a sair-lhe tão boas. Não admira que atravesse gerações. A propósito, é pena não terem incluído no álbum O rei vai nu e Não há duas como ela, dignas representantes das duas correntes de que falo.

Mateso, ok, concedo. É um seguro de vida... o pior é que, ouvido o disco (duas vezes, a segunda melhor ainda do que a primeira), fica uma sede terrível do próximo álbum de originais! Beijinho!

Sofis dos meus dias úteis, dos meus dias raros... depois da chuva pasmada a duas vozes, só mesmo pegar nas mesmas e juntá-las às de todos os que tiveram a sorte de viver aquela noite. Superada, é certo, pela fortuna dos que viveram a noite passada. Grande concerto, dizes bem, e boas memórias de te ver no futebol, de bebermos o alento num copo sem fundo, da nossa liberdade a sério, de mistérios que ninguém sabe porquê. De gomos de tangerina - como-os sempre aos pares - e de outros citrinos. Laranjas espremidas, limões feitos curd, toranjas luzidias. Sumo na vida, um beijo, um beijo!

SF disse...

SÓ PARA DIZER QUE ME RECUSO A COMENTAR ESTE POST - POR INVEJA - ENQUANTO NÃO COMPRAR O ÁLBUM!!!
(humpf)

Huckleberry Friend disse...

SF, compra-o depressa! Por ti e porque te quero a comentar... beijos.

anak disse...

mto bom concerto que foi este...grande senhor Sérgio Godinho....olha vi o concerto ontem na sicnoticias, e nós estavamos lá...hehe

Huckleberry Friend disse...

Que inveja, eu quero ver-nos!! Quando derem outra vez, tenho de gravar. E ficas já convidada para o próximo, Aninhas. A propósito, quando gravas uma musiquita do Godinho para eu pôr no blogue?