sábado, 27 de outubro de 2007

Baú das codornizes (I)

Um boneco que me mandou por e-mail a minha querida tia Qué acaba com as hesitações: este blogue ganha, hoje, uma nova secção. Sem dia marcado, vou pôr aqui coisas boas do passado. Daquela infância inocente (e de outras menos...) à qual apetece voltar nos dias maus. E que é bem recordada nos dias bons. O boi do desenho, o Bocas, dava na RTP quando só havia RTP e tinha uma quinta cheia de animais tão tipicamente da quinta como o hipopótamo, além de um leão e um gorila chamado Tarzan. O melhor amigo do Bocas era o Ted, uma tartaruga cuja carapaça acabava sempre desfeita por causa dos disparates do bovino agricultor. E a música era o máximo. O blogue Simplesmente Palavras tem alguns clips.


Dedico este primeiro baú à M., porque foi ela que deu a ideia, mesmo sem querer, quando ressuscitou num comentário deixado num cais próximo o delicioso Era uma vez a vida. Faz especial sentido dedicar à M. uma entrada sobre amizade e infância. Há dias, ela esboçou no mesmo cais um dos melhores retratos que já li de ambas.

2 comentários:

Sofia disse...

Pedro, esses amigos que não nos deixam cair, que nos prendem o barco ao cais com todas as amarras... esses sim os amigos! Gostei da recordação do pipopó!
beijinhos

Huckleberry Friend disse...

São esses, querida Sofia. Os que ficam. Mesmo que por vezes se afastem. Mesmo que por vezes pareça que se foram embora. Mesmo que tardem em voltar. Às vezes o regresso é surpreendente. Beijos para ti, pipópoa.